Meus livros para a infância neste Natal!

Amigos, Passarinho retornará em 2015, mas como ele recebeu muitos livros, no ninho em 2014, seguem aqueles que encantaram e iluminaram o seu coração. Feliz Natal e um 2015 maravilhoso para vocês!

Breve história de um pequeno amor (FTD), de Marina Colasanti e Rebeca Luciani.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Bárbaro (Companhia das Letras), de Renato Moriconi.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A poesia da primeira vez (Globinho), de Stella Maris Rezende e Laurent Cardon.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Papel de gente (Unoesc), de Maria Helena Bazzo e Walther Moreira Santos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Manifesto do Sonhador (Pólen), de Regina Gulla.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Rua Âmbar (Formato), de Eloí Bocheco e Márcia Cardeal.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Minha avó tecia o mundo (ws editor), de Pablo Morenno, Carla Furlanetto e Maria Helena Furlanetto.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Passariques do meu quintal (Globinho), de Blandina Franco e José Carlos Lollo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Belizbel (Paulinas), de Luciano Pontes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Orie (pequena zahar), de Lúcia Hiratsuka.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O fio (Escala), de Suppa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mel na boca (Cortez), de André Neves.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Mais encantos:

Contos que ninguém te conta (Carochinha), de Marco Hailer e Lais Dias;

Os rabiscos do mundo (Galerinha Record), de Ricardo Benevides e Guto Lins;

O menino que tinha medo de errar (Escrita Fina), de Andrea Viviana Taubman e Camila Carrossine;

Os doze trabalhos de Hércules (Cortez), de Marco Haurélio e Luciano Tasso;

Rita tem medo (Abacatte), de Christian David e Rogério Coelho;

A volta do garoto (Peirópolis), de Jorge Emil e Renato Moriconi;

Máquinas do tempo (Callis), de Romont Willy e;

A corda que acorda (8Inverso), de Cássio Pantaleoni e Tayla Nicoletti.

Todos estes 20 livros-encanto ganharão uma resenha no ninho.

“Feito de areia e mar de saudade”

Andres e Tatiana TANTO MAR

 

TANTO MAR (Galerinha/Record), livro primoroso da escritora Tatiana Salem Levy e do ilustrador Andrés Sandoval, mexeu comigo pela escrita que fica, pelas imagens inovadoras, e principalmente pela ida paterna… Thaís, nossa menina protagonista, viu o seu pai “encantar”, e eu sempre vou achar que os nossos amores não deveriam ficar encantados jamais…

“Numa madrugada escura, o pai de Thaís saiu para pescar e nunca mais voltou. “Deve estar lá no fundo. Aprendeu a nadar e gostou do que viu. Encantou…”

Sempre que ia à praia catar as coisas do mar, ela imaginava que um dia as ondas trariam o pai, com rabo de peixe que nem sereia. Mas esse era um segredo que ela guardava escondido, não contava a ninguém.”

TANTO MAR começa com “Era uma vez” nos fazendo mergulhar na vida da Thaís, numa ilha muito distante. A ilha não tinha nome, e nela não havia luz elétrica, televisão, celular e nem internet. Mas havia areia, caranguejo, guará-vermelho, silêncio e pique-pega! A nossa menina tinha uma brincadeira que era só dela: gostava de catar as coisas que o mar trazia… concha, lula, estrela-do-mar, cavalo-marinho… e também coisas inusitadas como latas de refrigerante japonês, sapato furado, chocolate angolano, chapéu mexicano… e as fotos molhadas que Thaís botava pra secar ao sol.

“Na praia do sul, Thaís era muito triste e muito feliz. Era muito sozinha e nunca estava só.

Quando alguém lhe perguntava o que queria ser quando crescesse, ela respondia: Quero ser mar.”

O tempo foi passando, e Thaís continuava gente, não ganhava rabo de peixe, nem barbatanas. A ilha encurtou e ganhou luz elétrica, mas nem tudo fica iluminado, pois o pai não voltava, com tanta descoberta que o tempo trazia, Thaís acabou por descobrir também que o pai não ia voltar. Não adiantava catar coisas na areia, conversar com as estrelas, não adiantava pedir para o mar trazê-lo de volta. O tempo do pai já tinha passado. Nesse momento, a nossa menina percebeu que o perto não lhe bastava mais… ela necessitava do longe.

Confesso que não sou tão resignado como a personagem de TANTO MAR, ainda mais quando o assunto são as perdas terríveis da vida, quando o mar nos traz águas um tanto quanto agitadas… Como disse Andrés Sandoval, esse livro é feito de areia e é verdade. Feito de areia e  mar de saudade.

Entrevista com Tatiana Salem Levy

www.youtube.com/watch?v=SrBwPys8Wio

BIO TATIANA SALEM LEVY

“Nasci em Lisboa, mas tinha menos de 1 ano quando vim para o Rio de Janeiro, onde moro até hoje. Desde pequena, eu gostava de ouvir e contar histórias, e foi por isso que decidi ser escritora. Comecei pelos livros de adulto. Meu primeiro romance se chama ‘A chave de casa’.

Com ele, ganhei o Prêmio São Paulo de Literatura 2008 e viajei para muitos países. O segundo se chama ‘Dois rios’. O terceiro ainda estou escrevendo, e por isso não posso contar o nome. É segredo.

Em 2012, comecei a escrever para crianças e, vejam que sorte, ganhei o prêmio de escritora revelação da FNLIJ com o livro ‘Curupira Pirapora’.

A ideia para ‘Tanto mar’ surgiu no dia em que conheci uma ilha muito distante, repleta de histórias mágicas. O lugar era tão lindo que fiquei com vontade de falar um pouco dele para vocês.”

www.record.com.br/autor_sobre.asp?id_autor=283

BIO ANDRÉS SANDOVAL

“Nasci em 1973 e moro em São Paulo, onde trabalho como artista gráfico. Cursei arquitetura na Universidade de São Paulo, mas trabalho bastante com livros.

Em ‘Tanto mar’, minha proposta não foi desenhar a personagem por inteiro, mas usar as ilustrações como se fossem a própria visão dela. Ao longo da história, o horizonte vai aparecendo para o leitor.

Ah, e o livro, apesar dos azuis, é feito de areia.”

www.andressandoval.com

O outono chega com mais editoras parceiras!🙂

Sejam bem-vindas ao ninho, Carochinha, Cosac Naify e Galerinha/Record!

Vejam quem chegou de Bragança Paulista! Henriette, mais uma vez, obrigado de coração pela delicadeza!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Agradecimentos:

A todos que me emocionaram com compartilhamentos no facebook e com comentários belíssimos sobre o texto “Anete e seu passarinho adorável!”, principalmente estes dadivosos, que tiveram a gentileza de postar no PASSARINHO as suas impressões:

Vinícius Linné, Ronize Aline, Karin Krogh, Adeilson Salles, Henriette Effenberger, Agostinho Ornellas, Rafael Mussolini, Pablo Morenno, Joca Monteiro e Ana Benevides.

Um beijo de aniversário para a querida Anna Rennhack!

Renato Coelho

Apaixonado pela Literatura Infantojuvenil.

 

Anete e seu passarinho adorável!

AneteB

 

Passarinho, começa 2014, com uma história de amor! Mas não uma história de amor qualquer, me refiro a um encontro especial de Anete com um passarinho adorável! Tudo começou por causa de um chiclete sabor de morango… Anete masca o chiclete, a bola começa a surgir, vai crescendo, vai tomando forma e… a nossa garota sorri de felicidade! Com o vento forte, um pequeno graveto para no nariz grudento de chiclete, a menina acha graça, faz cosquinha, mas o melhor está por vir! Um passarinho pousa no seu nariz, faz uma pilha de gravetos e brevemente Anete ganha um ninho!!! Amados leitores, o livro mal começou e o Passarinho deste blog já está apaixonado pela história! Por que será?!

“Anete, nariz de chiclete” (Escrita Fina Edições), texto de Ronize Aline e ilustrações de Bruna Assis Brasil, é daqueles livros infantis muito especiais! Ronize nos faz mergulhar nas suas palavras encantadas e Bruna nas suas ilustrações deliciosas! Lemos a última página e voltamos à primeira, pois queremos mais, Ronize seria uma fada das letras? Perguntei à Anete e ela não soube responder…

AneteA

 

O pássaro levantou voo, os pés enroscados no ninho, que trazia junto o chiclete, que trazia junto o nariz de Anete, que trazia junto Anete. Agora tudo era pequenininho, sua casa, a mãe estendendo roupa no quintal, os colegas brincando no pátio da escola – o leitor fica extasiado porque os parágrafos também levantam voo, as ilustrações belíssimas…. também levantam voo, Ronize e Bruna nos permitem voar – e essa viagem incrível continua! Anete e passarinho veem uma baleia nadando com o filhote em alto-mar, girafas, índios, cisnes voando em bando, avalanche, arco-íris, elefantes tomando banho coletivo no rio, guepardo, gazela…. Anete maravilhada com tudo o que via, com o amigo passarinho, mas uma pontinha de saudade de casa começava a brotar!

E agora? A nossa garota do chiclete consegue voltar pra casa? Anete e passarinho terão outras aventuras? Caros, o final é especial e fico aqui torcendo para que vocês leiam esse livro lindo e que nos faz começar 2014 voando! Que os passarinhos lhe tragam livros de encantamento, paz, saúde, esperança, felicidade, voos e amor!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

BIO RONIZE ALINE

Ronize Aline é escritora, tradutora, crítica literária, jornalista e professora universitária.

Como escritora, tem dois livros infantis lançados: Anete, nariz de chiclete, de 2013, e O dono da Lua, de 2011, ambos pela Escrita Fina Edições. Participou com dois contos da coletânea Nouvelles du Brésil, lançada em 2013 na França, pela Éditions Reflets d’ailleurs.

Trabalha com criação de textos em diversos formatos e para diversas plataformas (matérias jornalísticas, resenhas de livros, conteúdo para sites, textos institucionais, projetos educacionais, literários e empresariais, entre outros), tradução, revisão  e preparação de originais literários. É crítica literária do jornal “O Globo”, do Rio de Janeiro (no suplemento literário “Prosa&Verso”) e professora do curso de Comunicação Social da UniCarioca.

Ministra cursos e palestras nas áreas de criação literária, escrita criativa e literatura infantojuvenil.

Mantém o blog da Ronize Aline sobre criação literária em  http://www.ronizealine.com

Facebook: http://www.facebook.com/escritoraronizealine

Twitter: http://www.twitter.com/ronizealine

Instagram: http://www.instagram.com/ronizealine

BIO BRUNA ASSIS BRASIL

Bruna Assis Brasil nasceu em Curitiba, em 1986. É pós-graduada em ilustração criativa pela Escola de Disseny i Art, de Barcelona, e tem mais de vinte livros publicados. Pela Escrita Fina, ilustrou “Margarida, coisa mais querida!”, em 2013 e “A pedra no caminho”, também em 2013.

www.brunaassisbrasil.com.br

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Amigos, dia 14 de fevereiro, Passarinho receberá o “Admirável ovo novo” (Positivo), de Paulo Venturelli e Maurício Negro.

Agradecimentos:

A todos que me emocionaram com compartilhamentos no facebook e com comentários belíssimos sobre o texto “Fechando 2013 com maçãs argentinas!”, principalmente estes dadivosos, que tiveram a gentileza de postar no PASSARINHO as suas impressões:

Henriette Effenberger, Vinícius Linné, Heloisa Leandro e Pablo Morenno.

Um abraço especial para Ronize Aline!

Renato Coelho

Apaixonado pela Literatura Infantojuvenil.

 

Fechando 2013 com maçãs argentinas!

MAÇÃS

Passarinho fecha 2013 com 19 textos sobre Literatura Infantojuvenil! Uma grande vitória para mim, que sempre gostei de escrever, mas fugia de um espaço como este, por não se achar preparado. Aliás, acho que nunca vou me achar pronto para tal ofício. Agradeço a todos os leitores amigos pelo carinho comigo, sentimento que me impulsiona e me alegra. Obrigado mesmo. Paulo Venturelli volta ao ninho sem a sua baleia encantadora, mas com maçãs argentinas saborosas para fechar este ano tão especial!  MAÇÃS ARGENTINAS (Positivo), texto de Paulo Venturelli e ilustrações de Odilon Moraes, me faz voltar no tempo… abro o livro, mordo a maçã, volto a ser criança e ganho um pai que nunca tive. O autor, assim como em VISITA À BALEIA (Positivo) – o grande livro infantil do ano por conta das grandes premiações – me presenteia com um pai novamente.

“- Pai, compra uma pra mim… – E apontei para aquele montículo de delícias. Elas luziam sob o céu azul de minha terra natal, que eu amava com fé e orgulho. E muita vontade de botar na boca o licor refrescante daquelas massas feitas só de sumo, de luz, de suculência carnuda que cutucava o músculo de minha alma e dizia: me come, criatura!!! O mundo estava ali resumido naqueles tons. E que mundo estranho, eu pensava, a ponto de escrever maçã tudo errado?!

Meu pai estacou o passo. Olhou para cada um de nós. E demorou mais em mim, para dizer:

– Você tá, doido, filho de Deus?! Sabe quanto custa isso? Se eu comprar uma pra você, tenho de comprar pra cada um a sua. Aí, não tem salário que aguente. Essa fruta é só pra rico.”

“Book trailer” do livro:

É assim que Zeza, nosso garoto protagonista, pede uma maçã argentina a seu pai, depois de muita coragem e de muita vontade… – mas vê seu pedido negado, pois o pai era operário e seu salário não suportaria tais extravagâncias. Paulo Venturelli mexeu muito comigo em VISITA À BALEIA, mas agora fui arrebatado pela sua literatura! MAÇÃS começa e entramos no mundo de Zeza, vemos que a sua cidade é Brusque, conhecemos as ruas, a tia Santina, a tia Ema, o amigo Fridolino, o Cine Real, o Cine Coliseu… em nenhum momento o autor menciona as famosas maçãs no primeiro capítulo! Mesmo assim, nossos olhos ficam saboreando cada palavra, cada parágrafo dessa grande história. Para quê maçãs se podemos saborear as palavras… Narrativa de poucos.

Zeza é tão humano que me faz voltar a ser criança. Me vejo no garoto e com um pai. Venturelli, além de tudo, traz a mim uma infância completa. Sigo torcendo para que o autor sempre ressuscite o meu velho em suas histórias…

“Nesses momentos, eu adorava meu pai. Ele esquecia a brabeza costumeira, ficava cheio de força. O rosto, com a barba por fazer, ganhava a mesma cor  das maçãs. A gente ficava de igual para igual. Ele falando, eu ouvindo, balançando a cabeça. Parecia que ele estava no sindicato, naquelas reuniões de domingo, após a missa. Era quando todo mundo discursava. A sala cheia de vaias, assobios, braços que se erguiam. O pulso fechado. O ar na mistura de perfume forte, suor e cuspe. Às vezes, alguém pegava uma das bandeiras e agitava. Aquele povo ali na sala parecia dono de toda fúria. Subiam nas carteiras. De suas gargantas brotava música que falava de união, justiça, trabalhadores unidos, vitória, alvorecer…”

Odilon e Venturelli

As palavras de Venturelli e as ilustrações de Odilon são tão poderosas, que me despeço de 2013 com a alma de criança. Confesso que o desfecho não me importava mais, pois a minha maçã argentina era ou é esse estado de graça de reencontro. 2014 será o ano das maçãs. Feliz ano novo e bom apetite!

BIO PAULO VENTURELLI

“Vida de internato não é fácil. Eu vivi num dos doze aos dezoito anos. Mas teve seu lado bom. Lá, graças a um professor de português, descobri a leitura e me apaixonei pelos livros. O fruto disso foi que comecei a escrever e nunca mais parei. Escrevo para crianças como você e também para adultos. Tenho mais de vinte livros publicados.

Esta obra nasceu de uma experiência real: garoto, filho de operário, eu não tinha condições de comer maçãs argentinas. Naquela época, o Brasil não produzia essa fruta, que era importada e, por isso, cara. O desejo ficou em minha cabeça e resolvi transformá-lo nesta narrativa. Espero que você goste e viva com o menino, personagem da história, suas aventuras e desventuras.

Se quiser ler outras obras minhas, recomendo: O Anjo Rouco, Admirável ovo novo e Visita à baleia, que recebeu os prêmios da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) de melhor livro para criança e melhor ilustração.”

BIO ODILON MORAES

“Como toda a narrativa é centrada no desejo do menino de um dia provar uma maçã, tentei construir imagens onde o vermelho vivo atraísse nosso olhar como atraía o coração do menino. Sou ilustrador há mais de vinte anos e também escrevo alguns de meus livros.

Gosto do tipo de literatura que usa palavras e imagens simultaneamente.

Publiquei até agora A princesinha medrosa (2002), Pedro e Lua (2004) e O presente (2010).

Os dois primeiros receberam o prêmio de melhor livro para criança da FNLIJ – Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil. O meu livro de estreia ganhou também o prêmio de melhor ilustração.

Fui ganhador do Prêmio Jabuti em 1994, pelas ilustrações do livro A saga de Siegfried, de Tatiana Belinky e, em 2008, por O matador, de Wander Piroli.

Além de ilustrar e escrever, também ministro palestras e oficinas sobre a arte do livro ilustrado, minha grande paixão.”

Amigos, dia 10 de janeiro nos encontramos novamente!!!

O livro é surpresa, surpresa das boas!

Agradecimentos:

A todos que me emocionaram com compartilhamentos no facebook e com comentários belíssimos sobre o texto “100 anos de Vinicius de Moraes!”, principalmente estas dadivosas, que tiveram a gentileza de postar no PASSARINHO as suas impressões:

Henriette Effenberger, Heloisa Leandro e Letícia Sardenberg.

Um abraço especial para o Marcelo Del’Anhol, meu amigo e editor de maçãs encantadas!

Renato Coelho

Apaixonado pela Literatura Infantojuvenil.

100 anos de Vinicius de Moraes!

ARCA DE NOÉ CAPA

Há tempos eu quero homenagear o grande Vinicius de Moraes aqui no ninho e o livro A ARCA DE NOÉ (Companhia das Letrinhas), com as ilustrações – verdadeira obra de arte – do artista Nelson Cruz, será o livro usado para a homenagem. A editora envia-me o livro, abro o envelope e me deparo com a A ARCA de Vinicius. O primeiro sentimento é de emoção – o livro em si (capa dura, papel, formato… cuidados extremos), os poemas e as ilustrações me encheram os olhos, mas depois veio o sentimento de apreensão e me vi impossibilitado de escrever uma linha sequer sobre um livro tão grandioso. Estou me sentindo como o elefantinho, do Vinicius… o elefantinho ao se encontrar com o passarinho ficou com um medo danado!!! No meu caso, o #Passarinho está com um medo danado porque se encontrou com a ARCA, de Vinicius de Moraes e Nelson Cruz.

O elefantinho

“Onde vais, elefantinho

Correndo pelo caminho

Assim tão desconsolado?
Andas perdido, bichinho
Espetaste o pé no espinho
Que sentes, pobre coitado?

_Estou com um medo danado
Encontrei um passarinho!”

Vinicius de Moraes nasceu em 19 de outubro de 1913, no Rio de Janeiro – há 100 anos – e morreu de edema pulmonar, aos 66 anos, no dia 9 de julho de 1980, em sua casa na Gávea, Rio de Janeiro. Diplomata, jornalista, compositor, poeta… não à toa, Vinicius é no plural, havia vários ali, principalmente o poeta do amor. Seus 66 anos intensos equivaleram a 300. Em 10 de outubro de 1980, meses depois da morte do poeta, a Rede Globo exibiu VINICIUS PARA CRIANÇAS – A ARCA DE NOÉ, primeiro programa de uma série de musicais infantis que seriam produzidos pela emissora na década de 1980. O musical recebeu importantes premiações nacionais e internacionais, como o Prêmio Ondas, a Medalha de Prata, o Prêmio Iris e o Prêmio Emmy.

A galinha-d’angola, por Ney Matogrosso.

http://www.youtube.com/watch?v=rhn2Uaoqa8Q

Em 2006, o diretor Miguel Faria Jr. lança o documentário VINICIUS, belíssima película, porém a obra A ARCA DE NOÉ não é lembrada.

A casa

“Era uma casa

Muito engraçada

Não tinha teto

Não tinha nada

Ninguém podia

Entrar nela não

Porque na casa

Não tinha chão

Ninguém podia

Dormir na rede

Porque na casa

Não tinha parede

Ninguém podia

Fazer pipi

Porque penico

Não tinha ali

Mas era feita

Com muito esmero

Na rua dos Bobos

Número zero.”

A casa, por Boca Livre.

http://www.youtube.com/watch?v=ORvRwYEykQE

“A ARCA DE NOÉ

Rio de Janeiro, Sabiá, 1970

Mais conhecidos pelo disco feito para crianças, os poemas de A Arca de Noé foram escritos por Vinicius muitos anos antes de sua primeira edição. Eram feitos para seus filhos Suzana e Pedro de Moraes. Por muitos anos, eles ficaram guardados. Só em 1970, o conjunto de poemas infantis ganha o mundo. Seu lançamento ocorre na Itália, país onde a presença do poeta era constante, seja através de diversas visitas e temporadas ou de traduções de sua obra.

É lá, justamente quando Vinicius conhece um amigo de Chico Buarque chamado Toquinho, que o disco com os poemas infantis é preparado. O disco é chamado L’Arca. No mesmo ano, seus poemas musicados na Itália são lançados em livro no Brasil. Dez anos depois, dois discos dedicados ao conjunto de poemas infantis de Vinícius também são lançados no país, com o mesmo nome do livro.

A Arca de Noé tornou-se um dos livros mais populares de Vinicius de Moraes por ter criado um laço com as crianças. Todas as gerações têm nos seus poemas uma porta de entrada no mundo da literatura e da música popular brasileira. Ao mesmo tempo, no âmbito musical, foi o primeiro trabalho que apresentou a ele Toquinho, parceiro até o fim da vida.”

http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br/poesia/livros/arca-de-noe

O pato

“Lá vem o pato

Pata aqui, pata acolá

Lá vem o pato

Para ver o que é que há.

O pato pateta

Pintou o caneco

Surrou a galinha

Bateu no marreco

Pulou do poleiro

No pé do cavalo

Levou um coice

Criou um galo

Comeu um pedaço

De jenipapo

Ficou engasgado

Com dor no papo

Caiu no poço

Quebrou a tigela

Tantas fez o moço

Que foi pra panela.”

O pato, por MPB 4.

http://www.youtube.com/watch?v=qqOTioSeif4

“ “Arca de Noé” é também o título do primeiro poema desse livro. O conjunto é formado por 32 poemas, a maioria sobre bichos, e inclui os que constam dos discos Arca de Noé 1 e 2. Alguns foram musicados pelo próprio Vinicius de Moraes (1913-80) e se tornaram clássicos da MPB para crianças. (Um bom exemplo é o daquela casa “muito engraçada” que “não tinha teto/ não tinha nada”.) Todos são poemas feitos para ler, aprender de cor ou cantar.

Prêmio Jabuti 1992 de Melhor Produção Editorial de Obra em Coleção.”

http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=10276

Vinicius também aborda o Natal em A ARCA DE NOÉ e é com este poema que Passarinho lhes deseja um Feliz Natal e se despede desta singela homenagem ao “poetinha” e à ARCA, livro de poemas obrigatório para as crianças de todas as idades!

Natal

“De repente o sol raiou

E o galo cocoricou:

– Cristo nasceu! 

O boi, no campo perdido
Soltou um longo mugido:

– Aonde? Aonde?

Com seu balido tremido
Ligeiro diz o cordeiro:

– Em Belém! Em Belém!

Eis senão quando, num zurro
Se ouve a risada do burro:

– Foi sim que eu estava lá!

E o papagaio que é gira
Pôs-se a falar: – É mentira!

Os bichos de pena, em bando
Reclamaram protestando.

O pombal todo arrulhava:
– Cruz credo! Cruz credo!

Brava
A arara a gritar começa:

– Mentira? Arara. Ora essa!
– Cristo nasceu! – canta o galo.
– Aonde? – pergunta o boi.
– Num estábulo! – o cavalo
Contente rincha onde foi.

Bale o cordeiro também:

– Em Belém! Mé! Em Belém

E os bichos todos pegaram
O papagaio caturra
E de raiva lhe aplicaram
Uma grandíssima surra.”

BIO VINICIUS DE MORAES

“Com este site, a vida e a obra de Vinicius de Moraes ganham um novo ponto de encontro entre o poeta, seus fãs, leitores e demais pesquisadores dos seus trabalhos. Aqui, os diversos públicos que se interessam pela sua intensa – e extensa – trajetória, encontrarão de forma renovada as informações necessárias de sua busca. Ao mesmo tempo, conhecerão um pouco mais dessa trajetória múltipla, rica e fundamental do poeta, letrista, crítico, dramaturgo, roteirista, diplomata, pai, marido, amigo e visionário Vinicius de Moraes. 

Nosso prazer é apresentar a todos, com quantidade e qualidade, informações oficiais sobre as faces e ângulos dos muitos Vinicius que cruzaram o século XX do Brasil. Apresentar, portanto, a vida e a obra de um artista pleno, que deixou sua marca indelével em cada um de seus parceiros e em cada integrante do seu público. Em cada verso lido ou cantado, em cada poesia ou canção que trazem a assinatura de Vinicius, há uma promessa de felicidade para todos. Que este site possa ser a continuidade dessa promessa. Bem-vindos.”

http://www.viniciusdemoraes.com.br/pt-br

Globo News: “Especial 100 anos de Vinicius de Moraes.” – 13/10/2013.

http://www.youtube.com/watch?v=2VHUwrSxr6M

BIO NELSON CRUZ

Nelson Cruz nasceu em Belo Horizonte e, atualmente, mora e trabalha em Santa Luzia, cidade da região metropolitana. Desde 1998 ilustra para o mercado editorial.

http://nelsoncruzilustrador.blogspot.com.br/

Amigos, obrigado pela companhia e até sexta!

Dia 27, Passarinho degustará as MAÇÃS ARGENTINAS (Positivo), de Paulo Venturelli e Odilon Moraes, nosso último encontro de 2013!

Agradecimentos:

A todos que me emocionaram com compartilhamentos no facebook e com comentários belíssimos sobre o texto “O livro venceu o medo!”, principalmente estes dadivosos, que tiveram a gentileza de postar no PASSARINHO as suas impressões:

Renata Tufano Ho, Santiago Régis, Heloisa Leandro, Clarissa Menezes e Karin Krogh.

Um abraço especial para Júlia Moritz e Diana Passy.

Renato Coelho

Apaixonado pela Literatura Infantojuvenil.

Neste Natal, dê livro de presente!

CARAS ANIMALESCAS (Companhia das Letrinhas), de Renato Moriconi e Ilan Brenman.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

BOCEJO (Companhia das Letrinhas), de Renato Moriconi e Ilan Brenman.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

TELEFONE SEM FIO (Companhia das Letrinhas), de Renato Moriconi e Ilan Brenman.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

MÁQUINAS DO TEMPO (Callis), de Romont Willy.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

CARMELA CARAMELO (Cortez), de Cris Rogerio e André Neves.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

VICENTE EM PALAVRAS (Lê), de Caio Riter.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLÍVIA TEM DOIS PAPAIS (Companhia das Letrinhas), de Márcia Leite e Taline Schubach.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

VITÓRIA VALENTINA (Lamparina), de Elvira Vigna.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

MUDANÇAS NO GALINHEIRO MUDAM AS COISAS POR INTEIRO (Rovelle), de Sylvia Orthof e Mariana Massarani.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

ORA SIM, ORA NÃO, ORA… ORA! (Coruja), de André Luís Oliveira e Lucas S. Busatto.

LUCAS BUSATTO

NINA E A LAMPARINA (Dsop), de Claudia Nina e Cecília Murgel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

VISITA À BALEIA (Positivo), de Paulo Venturelli e Nelson Cruz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

MAÇÃS ARGENTINAS (Positivo), de Paulo Venturelli e Odilon Moraes.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

JOÃO TINHA MEDO (RHJ), de Sônia Menezes e Santiago Régis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

MINISSAIA, BATOM & FUTEBOL (Zit), de Letícia Sardenberg e Ana Raquel.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

TUA MÃO NA MINHA (Habilis), de Eloí Bocheco e Walther Moreira Santos.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

MARCÉU (Positivo), de Marcos Bagno.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

HAICAIS PARA FILHOS E PAIS (Galerinha Record), de Leo Cunha e Salmo Dansa.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

CLASSIFICADOS E NEM TANTO (Galerinha Record), de Marina Colasanti e Rubem Grilo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OS INVISÍVEIS (Casa da Palavra), de Tino Freitas e Renato Moriconi.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O SOFÁ ESTAMPADO (Casa Lygia Bojunga), de Lygia Bojunga.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A ARCA DE NOÉ (Companhia das Letrinhas), de Vinicius de Moraes e Nelson Cruz.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O livro venceu o medo!

JOÃO, por Santiago Régis

 

 

“Santiago Régis, 24 anos
Para algumas pessoas 24 anos é pouco tempo,
mas neste período deu tempo de:
nascer em Imperatriz, Maranhão, Brasil
passar a infância numa fazenda em Davinópolis
sonhar em ser astronauta
ser atropelado por uma bicicleta
viajar de balsa e conhecer o Pará
estudar num Colégio de Freiras
e levar palmatória
mudar de cidade, agora Goiânia
estudar num Colégio da Polícia Militar: épocas de repressão
entrar na Faculdade de História
e abandonar o curso 2 semestres depois
ser católico, protestante, espírita, budista
se interessar por umbanda e xintoísmo
ser ateu
mas por pouco tempo
porque num assalto acreditar em Deus
(ou deuses)
(ou alguma coisa)
é primordial pra continuar vivo
beber muito café e colecionar xícaras
comprar livros e vinis em sebos
sou ilustrador
sou astronauta, quando viajo no espaço sideral da minha própria aquarela.

Santiago Régis é maranhense de Davinópolis. Já morou em Goiânia e hoje atua em Belo Horizonte. É bacharel em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Goiás e há muito trabalha com o universo infantil e literário. A relação palavra-imagem sempre despertou seu interesse e assim a ilustração acabou virando sua principal válvula de produção. Suas ilustrações já tomaram paredes de Galerias, páginas de livros infantis, estampas e animações.”

http://www.santiagoregis.com/

Santiago Régis

 

Santiago Régis

Santiago Régis é o ilustrador de JOÃO TINHA MEDO, livro com texto da escritora Sônia Menezes e editado pela RHJ em setembro deste ano. JOÃO é a sua segunda parceria com a Sônia; DE SANTOS, REZAS E LARANJAS, foi seu primeiro livro ilustrado. Assim como o João, Santiago também tinha muito medo. Tinha medo de ninguém o buscar na escola, medo de insetos, de escuro, de ficar sozinho. Foi crescendo e aprendendo que o medo não é ruim. Percebeu que é bom sentir aquele friozinho na barriga e passar por uma aventura.

“João tinha medo de tudo. De tudo João tinha medo.”

Quando o Santiago me disse que enviaria o JOÃO, eu fiquei muito feliz, mas não imaginava que pudesse ficar tão encantado! Quando abri o envelope e me deparei com as ilustrações, o projeto gráfico – Régis também assina o projeto -, o tema da história… entendi que o Passarinho precisava se encontrar com o João o quanto antes! A beleza do trabalho de Santiago Régis venceu o medo.

A história começa com uma lâmpada, ela representa o começo e o recomeço. No começo ela está apagada, deixando tudo escuro, e depois, já no meio do livro, ela acende. O que faz a sua lâmpada ficar acesa?

Noite, chuva, raios, trovões, tempestades, quarto escuro, ratos, baratas, escorpiões, fantasmas, assombrações, casa vazia, corredores, paredes brancas, cozinha, banheiro… assustava-se à toa… não ria, mal comia, João tinha medo de tudo, de tudo João tinha medo. Tudo em preto e branco, objetos viravam seres animados assustadores, sombras do mal, tudo tenebroso… o quarto era um pesadelo.

Porém…

Algumas coisas acalmavam, sossegavam, tranquilizavam… eis que a lâmpada se acende!

Uma história lida sobre o travesseiro, avó e avô dando atenção… difícil aqui não se lembrar dos amigos e vovós corujas Heloisa Leandro e Júlio César Cardoso de Barros… cafuné no cabelo, bicho de estimação, família em volta da mesa, afago no coração. Você já disse eu te amo hoje para a pessoa amada? A pessoa aqui pode ser o namorado, o marido, a filha, o neto, enfim, ame; lembre-se de que a lâmpada precisa ficar acesa sempre.

João tinha medo, não tem mais. Um bom livro infantojuvenil leva os meus medos embora e esse é um deles. Texto e ilustrações orquestrados. Sônia Menezes e Santiago Régis acendem. A gente ascende!

“Afago no coração.”

“Sônia Menezes é professora, historiadora, autora de livros didáticos e mestre em Letras e em Linguística pela UFG. Nasceu em uma fazenda chamada Engenhoca no município de Mossâmedes (GO). Nos tempos de criança, ouvia muitas histórias e brincava o tanto que podia; ainda hoje, sente saudades daqueles dias na casa de sua avó Chica! Cresceu gostando de ouvir histórias, e agora gosta de contá-las. JOÃO TINHA MEDO é seu segundo livro infantil; antes dele escreveu DE SANTOS, REZAS E LARANJAS.”

Fico muito feliz quando encontro um livro para crianças que foge do lugar comum. A história de um menino com medo de tudo é muito louvável, pois os sentimentos não são sexistas, todos nós temos medo de algo! Impossível não fazer uma ponte com o BENJAMIN, de Biagio D’Angelo e Thais Beltrame, outro belíssimo livro sobre as fragilidades de um menino.

Como você percebeu, o ninho está de cara nova! Santiago Régis, com a sua lâmpada, veio ao ninho com João e aproveitou para deixar o nosso cantinho mais luminoso. Espero que tenha gostado!

Amigos, obrigado pela companhia e até sexta!

Dia 20, Passarinho estará na ARCA DE NOÉ (Companhia das Letrinhas), de Vinicius de Moraes e Nelson Cruz.

Agradecimentos:

A todos que me emocionaram com compartilhamentos no facebook e com comentários belíssimos sobre o texto “A Prosopopeia de Alex & Cris!”, principalmente estes dadivosos, que tiveram a gentileza de postar no PASSARINHO as suas impressões:

Alex GomesSantiago RégisRomont WillyOlga SâmiaHenriette Effenberger e Pablo Morenno.

Um abraço pra lá de especial para o San!

Renato Coelho

Apaixonado pela Literatura Infantojuvenil.